terça-feira, 2 de julho de 2013

Prado Florido no jardim - vantagens



+
A noção de sustentabilidade tenho-a presente desde miúdo. Uso irracional da água, pesticidas e fertilizantes…, cedo descobri que a esmagadora maioria dos jardins portugueses são tudo menos sustentáveis, não só para a carteira do proprietário mas também para o ambiente.
As chuvas na maior parte do nosso território são escassas e irregulares, concentradas apenas numa parte do ano. Os modelos importados abusam dos relvados. Consciente disso possuo no jardim um prado de sequeiro. Limpo e aparado, mesmo que seco no verão enquadra-se perfeitamente no ambiente natural da Europa do Sul, onde nos encontramos.
Como espaço não me falta, na sobrante parte estou a instalar um prado florido. Dá-me um gozo especial ver o contraste entre a zona aparada do prado de sequeiro e a zona bravia do prado florido. Na linha do meu jardim autóctone, o prado florido vai incrementar a biodiversidade presente no meu jardim.

Vantagens de possuir um prado florido

· Ter um prado florido é apostar na sustentabilidade económica e ambiental.
Sobrevivendo apenas com a água da chuva, um prado florido não necessita de ser regado. Quanto a manutenção, basta um a dois cortes anuais. Por forma a assegurar o renascimento do prado, este só deve ser cortado após a libertação das sementes que darão início a um novo ciclo. O prado florido dispensa o uso de herbicidas, fitossanitários e fertilizantes, contribuindo para a não contaminação dos aquíferos.

· Ter um prado florido é apostar no pulsar das estações.
O ciclo de vida do prado (germinação; crescimento; floração; frutificação) permite assistir ao desenrolar das estações. Muda a estrutura do prado mas também a sua cor.

· Ter um prado florido é apostar na biodiversidade.
Um prado florido é composto por diversas espécies vegetais, abrigo e reserva de alimento para diversos insetos, manjar de uma miríade de répteis, anfíbios, aves e mesmo pequenos mamíferos.
Rafael Carvalho / jul2013

6 comentários:

  1. Olá Rafael. Como instalaste o prado? Compraste alguma mistura disponível comercialmente?

    ResponderEliminar
  2. Pedro,
    como referi acima estou ainda a instalar o prado. Limitei-me a deixar a natureza seguir o seu curso, deixando germinar livremente as sementes das espécies autóctones. Isto demora o seu tempo.
    Também tenho recolhido em ambientes ruderais, como nas bermas de estrada, sementes de espécies ainda não presentes.
    Para quem tem pressa existem misturas comerciais, que podem ser semeadas como se de relva se tratasse (ver por exemplo http://www.loja.jardicentro.pt/product_info.php?products_id=2044).
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  3. Também semeei um prado, com papoilas, fidalguinhos, digitálias, e suspiros ou saudades, mas só estas últimas é que nasceram, que foram as únicas que recolhi sementes de um local perto, as outras foram compradas. Fiquei um pouco desapontada, mas as saudades já são tão lindas que me contentam, hei de semear mais coisas lá! ;)

    ResponderEliminar
  4. Núria, agradecia que me enviasse para o meu e-mail a sua morada para que eu lhe possa enviar as sementes da arméria.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns a todos que seguem este método e em particular ao Rafael. Também sou apologista deste tipo de prado e tenho uma casa de turismo rural onde cresce um prado florido com as espécies autóctones. visto da janela é um espetáculo! Gostava de introduzir a arméria que não encontro por aqui. Sabem se resiste bem à seca?

    ResponderEliminar
  6. Caro Joaquim,
    Sendo as armérias plantas autóctones, ajustam-se na perfeição ao seu território de origem. São plantas por norma resistentes à seca. Em "http://www.flora-on.pt/#/1arm%c3%a9ria" pode conferir as espécies existentes em Portugal. A Armeria humilis por exemplo existe naturalmente na sua região.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar